Follow by Email

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Estamos vivendo momentos que podem ser decisivos...

...em nossa vida política . Um govêrno eleito oriundo de uma campanha tumultuada , e vazia de diálogo competente com o eleitorado,  monta govêrno, e começa a ser envolvido pelos espertalhões de plantão . Reage , e procura apoio para prosseguir livre das amarras de grupos interessados em maracutaia da grossa . A mudança no núcleo duro do governo tão sofrida , e agora o afastamento da cúpula de um ministério por delinquêcia financeira da grauda ... parecem indicar essa orientação . Manteve o Ministro mas demitiu seus auxiliares , e deu ultimato ao Ministro para sanear o Ministério em prazo curto . Atitudes muito naturais se vindas do falecido Itamar ... que Deus o tenha .   Que de lá onde estiver ajude a Dilma em sua tarefa saneadora . Como Cristão acho que de lá terá mais condições do que daqui enfrentando, já alquebrado pela idade , esse Congresso que ai está posto . Rèquiem por você grande Brasileiro ... endosso todos os elogios que fizeram na mídia à sua conduta de político admiràvel . Mas lamento que seu temperamento mercurial , aliado à sua messianidade  tenha nos levado ao famigerado govêrno do PT  , e do seu mestre do gógó de ouro ... O Ex cujo govêrno tirando a fidelidade ao plano real negociada na transição, me dá tristeza ... não sei se o mesmo ocorre com vocês ... mas a mim definitivamnte entristece , sobretudo pelo momento perdido ! Vejo esperançoso que diante do seu corpo reuniran -se grandes nomes da política sadia , que não fôra sua trajetória zigzagueante,  movida pelo seu temperamento mercurial , teriam sido seus companheiros num tempo de progresso admiràvel do nosso querido Pais . Mas uma Nação e´constituida pelo somatório dos seus cidadãos principalmente dos notáveis que você reuniu entôrno de si no seu velório

Muitos se uniram à vocês pelo coração esperançoso... notado em seus discursos  de despedida ... parece que você nos diz que a prateleira onde se depositam os Políticos de  carácter honesto,  não ficou vazia por sua morte .



Li com muita atenção a coluna do Merval onde relata com claresa , restaurando a verdade dos fatos , a saga da nossa presidência nesses últimos 16/18 anos .  Muita coisa poderia se comentada mas o que me preocupou mais foi constatar quão aleatória é a escolha de tão importante mandatário em cujas mãos depositamos nosso destino por 4 anos , e muito do curso da nossa história por décadas . Eu considero que os últimos 8 anos foram bastante  ... ruins  Publico o trabalho do Merval para ilustrar essa postagem , e sobretudo para ficar,  por tão memorável ,  nos arquivos desse blog à disposição de vocês quando quiserem meditar esses fatos tão significativos :
Tempo de conciliação Por Merval Pereira ( Eu acrescentaria ...e  de grandeza )                            Estamos em tempos de conciliação política e consequente
revalorização da importância do Plano Real na
História do país. O reconhecimento da presidente Dilma
Rousseff do papel fundamental do ex-presidente
Fernando Henrique Cardoso no fim da hiperinflação e
consequente estabilização econômica, que permitiu a
retomada do planejamento para o desenvolvimento do
país, e os generalizados aplausos na morte do ex-presidente
Itamar Franco, reconhecido como o responsável
pela implantação do Plano Real, fazem parte desse

novo cenário que recupera a História do Brasil.
Não é por acaso, portanto,
que o excelente livro de Miriam
Leitão “Saga brasileira,
a longa luta de um povo por
sua moeda” está em primeiro
lugar na lista dos mais vendidos
no país há seis semanas
seguidas.
Além da sua qualidade intrínseca,
o livro chega numa
hora em que o país redescobre
seu passado, abafado há
quase dez anos por campanha
política negacionista que
tinha o fim único de exaltar o
governo petista pela anulação
dos méritos de governos
anteriores.
Pura tática marqueteira
que deu certo até que dois
acontecimentos tiveram a capacidade
de destampar o passado
recente: os 80 anos de
FH e a morte de Itamar.
Ele e Fernando Henrique,
corresponsáveis pela mais
exitosa ação político-econômica
do Brasil moderno, foram
separados pela disputa
política, mas nunca chegaram
a romper, como aconteceu
com Lula e FH.
A tradicional disputa entre
criador e criatura deu-se
mais uma vez. Mas, se dependesse
de Itamar, o candidato
do Plano Real teria sido o então
ministro da Previdência,
Antonio Britto, hoje afastado
da política partidária e presidindo
a Abifarma.
E não há dúvidas de que
Itamar levou para o túmulo
mágoas que seu espírito trêfego
não conseguia superar,
como a certeza de que sua
importância na História do
país havia sido reduzida pelo
protagonismo de Fernando
Henrique, a quem não perdoava
por ter aprovado a reeleição
quando ele, Itamar,
considerava-se no direito de
ser o candidato à sucessão.
A partir de então, passou a
confrontar Fernando Henrique,
primeiro tentando ser o
candidato do PMDB contra a
reeleição de sua “criatura”.
Foi humilhado pela direção
nacional do PMDB na convenção
nacional, que decidiu
apoiar a reeleição.
Um depoimento isento é o
do ex-ministro da Fazenda Rubem
Ricupero, que afirma que
a importância de Itamar para
a estabilização da economia
foi decisiva porque, naquele
momento de transição, ele
era o único que acreditava
que seria possível dar um golpe
definitivo na inflação.
Mas Ricupero sabe que Itamar
não “tinha uma ideia clara”
de como fazer isso e andava
em busca de um novo Plano
Cruzado. “Inclusive, depois
que o real foi introduzido, Itamar
ainda queria um congelamento
de preços”, lembra Ricupero
em entrevista à BBC.
Por diversas vezes o ex-presidente
Itamar o classificou como
o “sacerdote” ou “apóstolo”
do Real, mas Ricupero desconfia
que “ele fazia isso principalmente
para retirar um
pouco do crédito pelo Plano
Real da equipe de Fernando
Henrique Cardoso.”
Havia muita mágoa. Itamar
era político interessante, imprevisível,
reagia espontaneamente
a tudo, tinha algumas
ideias fixas — umas bem
atrasadas como um nacionalismo
que não se modernizou:
era contra todas as privatizações,
embora tenha sido
no seu governo que a CSN
foi privatizada.
A ideia do relançamento do
fusca não tinha cabimento,
mas embutia a proposta de
um carro popular, o que mais
tarde foi feito com carros economicamente
viáveis.
Ele tem todos os méritos
por permitir que o Plano Real
se efetivasse, mas durante sua
gestação várias vezes atrapalhou,
como quando quis o
congelamento de preços a que
se referiu Ricupero.
Seu sonho dourado era a
popularidade que o Plano
Cruzado trouxera ao ex-presidente
José Sarney, e, se dependesse
dele e de seus assessores,
a República do Pão
de Queijo, seriam tomadas
medidas populistas que prejudicaram
o Cruzado e inviabilizariam
o Real.
Tinha uma visão política
muito provinciana, mas tinha
também vantagens competitivas
que eram inerentes
a seu caráter e formação,
qualidades que infelizmente
hoje são mais relacionadas a
políticos à moda antiga, que
morriam pobres como ele
morreu, qualidades ressaltadas
em um tempo em que
poucos anos de atividade
parlamentar, até mesmo a
vereança, já levam políticos
a ficarem milionários.
Conseguiu participar de um
governo que foi impedido pelo
Congresso por corrupção sem
se envolver nas falcatruas, o
que permitiu fazer a transição
política para o governo FH.
Reuniu todos os partidos em
torno dele, apenas o PT ficou
de fora. Itamar tinha uma intuição
política muito aguçada,
que alguns consideravam apenas
sorte, mas Tancredo Neves
classificava de “destino”.
Estava sempre no lugar
certo na hora certa. Ser vice
de Fernando Collor, tudo indicava,
era estar no lugar errado
naquela corrida presidencial
de 1989, mas ele teve
a intuição de que aquela
aventura daria certo.
Collor tinha razões importantes
para colocar um político
como Itamar na vice, para
dar credibilidade à sua
candidatura.
Várias vezes o mercurial Itamar
renunciou ao cargo durante
a campanha, como um Jânio
vice de outro Jânio.
Conseguiu se manter em
posição de neutralidade durante
o curto governo, o que
não prejudicou sua carreira
e, em vez de ter sido contaminado
pelo que ocorria nos
bastidores, soube se manter
distante e se qualificou para
comandar um governo de
união nacional que foi fundamental
para a realização do
Plano Real.                                                                                                                                             
 Com tantos notáveis para suceder o FHC atravessamos esses tempos mais que nebulosos graças ...  como já afirmei antes ,  em várias ocasiões , acreditar ... ao modêlo gerencial obsoleto que usamos . O Pais se desenvolveu , e agora precisa de um upgrade na sua estrutura gerencial , acompanhado de uma profunda reforma nos costumes sucessórios , pois suas campanhas não permitem o estabelecimento natural de um govêrno verdadeiramnte nascido das urnas ... e negociado honestamente com o colégio de eleitores . As negociações são feitas antes , durante,  e  depois do processo eleitoral... nos  bastidores   . E a meu ver  muito aleatórias ...o processo tem que ser superado pela adoção de outro mais consistente com  o estágio de desenvolvimento que atingimos . Nos temos um dinamismo bem maior que tínhamos anos  atraz , e vivemos inseridos em um mundo também muito mais dinâmico ... interagindo por meio de tecnologias  que conferem a esses processos muita integração . Ficar usando esse processo eleitoral atual indefinidamente é insanidade ... é querer marcar passo na história . O que fazer ... com as minhas limitações dei minhas opiniões .. cabe aos credenciados se mexerem  , e desenhar uma evolução compatível  . Da forma provinciana que estão sendo conduzidos o processo eleitoral , e o grenciamento federal , não podemos esperar,  no futuro,  um Brasil engrenado como Nação de proa ... e certamnte enfrentaremos muitos probelmas como os que estão acontecendo no momento , e piores . Vamos mudar !   Mesmo porque se não mudarmos nos tirarão o Pais das mãos pois ele agora está muito valorizado, e isso tende a aumentar .  Novos tempos ... novas soluções .

Vre também o artigo de Fábio Fabrini e Thiago Herdy  Velório de Itamar que contém revelações valiosas para a compreenção do processo sucessório entre nós :  
Velório de Itamar                                                                          

Nenhum comentário: